Protegido: “Baixa autoestima é como dirigir pela vida com o freio de mão puxado” – Maxwell Maltz

Protegido: “Baixa autoestima é como dirigir pela vida com o freio de mão puxado” – Maxwell Maltz

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

  • Helio Lopes

    Excelente artigo!!!!!!!
    Como as CICATRIZES EMOCIONAIS nos fazem “ver a vida” de forma tão diferente…
    Destaco (em caixa alta) do seu texto o seguinte: “se ALGO NÃO ESTÁ FUNCIONANDO para você, então você deve TER A RESPONSABILIDADE de MUDAR AS COISAS PARA MELHOR e RECONDICIONAR sua MENTE DE UMA FORMA MAIS POSITIVA E RESPONSÁVEL que irá ajudá-lo a VIVER A VIDA QUE você DESEJA CRIAR PARA VOCÊ MESMO”.
    Mudando nestes últimos tempos… abandonando velhos hábitos… buscando e modificando horizontes…
    Aguardo 3º artigo!!! PAZ!!!

  • Tamires

    Boa tarde!
    Interessante como tudo na nossa psique tem grandes chances de ter sua origem em memórias da infância!
    Mas, como você disse, é nossa a responsabilidade para mudar o destino da nossa história!

    Abraços!

    • Opa Tamires! Eu acredito mesmo que é sempre nossa a responsabilidade pela mudança! Temos a liberdade de escolher qual caminho seguir. Abraços! Experimente a PAZ 😉

  • Natália Araújo

    Adorei o artigo… Principalmente o trecho onde você diz “(…)você deve ter a responsabilidade de mudar as coisas para melhor e recondicionar sua mente de uma forma mais positiva(…)”. Esta é a minha filosofia de vida! Tudo é questão de mudar hábitos nocivos e aos poucos ir recondicionando os seus parâmetros mentais de forma a chegar num hábito positivo. Somos o que pensamos e pensamos o que somos. Aceitar, Flexibilizar, Avaliar, Priorizar, Inovar e Perdoar estão sendo as minhas palavras chaves para melhora da auto-estima. Faço um exercício mental com o auxílio da meditação usando estas palavras associado a técnica do FEFT, todos os dias ao acordar! Estou ansiosa pelo próximo artigo para potencializar a minha técnica pessoal! Parabéns…

    • Parabéns por estar praticando Natália!
      Esse é o segundo passo para se livrar do “problema”. E a meditação certamente ajuda muito!
      Eu mesmo pratico diariamente! Inclusive acabei de voltar de um retiro de 11 dias recluso, meditando. 😉